MATEUS 14,1-12 (386)

Texto bíblico diário comentado (386)

Irmãos e irmãs,

Participemos da leitura e reflexão diária da Palavra de Deus. Da nossa liberdade nasce uma série de consequências, que tornarão a vida humana melhor ou pior.

Mateus 14,1-12 – Execução de João Batista - Naquele tempo, Herodes, o tetrarca, veio a conhecer a fama de Jesus e disse aos seus oficiais: "Certamente se trata de João Batista: ele foi ressuscitado dos mortos e é por isso que os poderes operam através dele!" Herodes, com efeito, havia mandado prender, acorrentar e encarcerar João, por causa de Herodíades, a mulher de seu irmão Filipe, pois João lhe dizia: "Não te é permitido tê-la por mulher". Queria matá-lo, mas tinha medo da multidão, porque esta o considerava profeta.

Ora, por ocasião do aniversário de Herodes, a filha de Herodíades dançou ali e agradou a Herodes, por essa razão prometeu, sob juramento, dar-lhe qualquer coisa que pedisse. Ela, instruída por sua mãe, disse: "Dá-me, aqui num prato, a cabeça de João Batista". O rei se entristeceu. Entretanto, por causa do seu juramento e dos convivas presentes, ordenou que lha dessem. E mandou decapitar João no cárcere. A cabeça foi trazida num prato e entregue à moça, que a levou à mãe. Vieram então os discípulos de João, pegaram o seu corpo e o sepultaram. Em seguida, foram anunciar o ocorrido a Jesus. Palavra da Salvação!

Comentário: Herodes Antipas, que governou a Galiléia e a Peréia no tempo de Jesus e de João Batista, abandonou sua mulher para se juntar com Herodíades, sua sobrinha, filha de Aristóbolo, seu irmão, e também cunhada, pois era casada com outro irmão, Filipe. Esse adultério, que contrariava os mandamentos da Lei de Deus, foi denunciado fortemente por João, dizendo: "Não te é permitido tê-la por mulher", e gerou o principal conflito que o levou à morte.

O cenário da decisão da morte de João Batista certamente estava envolto num clima de devassidão, embriaguez e desatinos sem limites, para que houvesse uma empolgação tão grande por conta de uma simples dança, a ponto do rei Herodes Antipas oferecer, sob juramento, à Salomé, filha de Herodíades, o atendimento de qualquer pedido, limitado à metade do reino.

O grande profeta João Batista, considerado precursor do Messias na sua missão, numa vida que sempre esteve presente na história da salvação, também foi precursor de Jesus no Seu martírio. Morreria por um motivo mesquinho: aplacar um desejo de vingança contra ele, mantido por Herodíades. A qual, respondendo à filha sobre o que pediria a Herodes, viu nisto a oportunidade tão esperada, e não aconselhou que pedisse parte do reino ou título de nobreza, preferindo ceifar a vida de João.

Poderíamos perguntar, como às vezes ouvimos alguém dizer: mas Deus não poderia ter evitado isto? Na realidade não. A Lei da liberdade instituída por Ele o impede de quebrar a própria Lei, pois Deus não deseja que sejamos meros joguetes em Suas mãos. Vemos com isto que os nossos pensamentos, palavras e atos são importantes para Deus. Porém, tenhamos cuidado, pois do uso da nossa liberdade nasce uma série de consequências, que tornarão a vida humana melhor ou pior.

Com a nossa liberdade nutrimos desejos de vingança, orgulho e vaidade. Deixamos crianças perambularem pelas cidades e adultos morrerem de fome. Por outro lado, poluímos nossos jovens com filosofias de vida marcadas pelo consumismo. Com a liberdade deixamos que a ganância nos domine e criamos estruturas injustas em nossa sociedade. E tantas outras falhas. Mas, mesmo assim, Deus nos leva a sério. Ele nos deu a liberdade e é o primeiro a respeitá-la. Porém, lembremos, todos teremos que responder pelo seu uso.

Um forte abraço para todos.

Fraternalmente,

Severino Alves

E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Acesso Restrito