FORMAS DE LOUVOR

Louvor 2

D. GENIVAL SARAIVA

-BISPO DE PALMARES (PE)

 

 

Numa de suas homilias no tempo da Páscoa, Santo Agostinho (séc. V), ensinou: "Toda a nossa vida presente deve transcorrer no louvor de Deus, porque louvar a Deus será também a alegria eterna de nossa vida futura. (...) Agora, pois, irmãos, vos exortamos a louvar a Deus. É isso o que todos nós exprimimos mutuamente quando cantamos: Aleluia. (...) Mas louvai-o com todas as vossas forças, isto é, louvai a Deus não só com a lingua e a voz, mas também com a vossa consciência, vossa vida, vossas ações. Na verdade, louvamos a Deus agora que nos encontramos reunidos na igreja. Mas logo ao voltarmos para casa, parece que deixamos de louvar a Deus. Deixas de louvá-lo quando te afastas da justiça e do que lhe agrada. Mas, se nunca te desviares do bom caminho, ainda que tua lingua se cale, tua vida clamará; e o ouvido de Deus estará perto do teu coração." Santo Agostinho mostra aos cristãos as diversas formas e os muitos momentos em que pode ser feita a sua oração. A linguagem da oração de cada um, em seu encontro com Deus, compreende a consciência, a vida e a ação e em que lugar pode ser feita. Quem ora, em verdade, deve fazê-lo com a consciência mais genuína. Mostra, porém, que algumas atitudes distanciam a pessoa de Deus, mesmo quando faça sua oração. Esse ensinamento do Bispo de Hipona continua sendo plenamente útil para para cada pessoa que inclui a prática da oração em sua vida.

Todavia, esta pode ser feita de forma equivocada e, portanto, infrutfera, como aquela dos surrupiadores do dinheiro pblico, em Brasilia, que se deram as mos para agradecer a Deus o resultado de sua corrupo, mediante a "orao da propina", como ficou jornalisticamente conhecida, cujas imagens ainda esto vivas na mente das pessoas. "A flagrante corrupo destes parlamentares que se denominam evanglicos gritante. Porm, a orao destes deputados, agradecendo a Deus pela propina recebida, reverbera ainda mais, causando repulsa e indignao em milhares de cristos sinceros que foram gravemente ofendidos em sua f, pela forma hipcrita em que estes senhores externam sua devoo. As cmeras ocultas da Polcia Federal oferecem prova contundente da vil atitude, bem como da religiosidade v destes servidores de Mamom." Nos tempos do nazismo, absurdamente, um hino pedia a proteo de Deus para Hitler; patrulhada, mentalmente, a juventude hitlerista invocava a ajuda de Deus para sua causa macabra: "Diante dessa bandeira de sangue, que representa nosso Fhrer, juro devotar todas as minhas energias e foras ao salvador da nossa ptria, Adolf Hitler. Estou disposto e pronto a dar a minha vida por ele, com a ajuda de Deus." Esse tipo de orao a Deus e de invocao do nome de Deus contraria o segundo Mandamento: "No tomar o seu Santo Nome em vo".

Santo Agostinho deixa bem claro ao fiis que no basta fazer a orao com a lingua e os lbios (orao vem dessa palavra latina: os, oris = boca) e que h necessidade de ser feita, coerentemente, alm da Igreja. Esse ensinamento est respaldado na profecia de Isaias que Jesus proclama e assume: "Este povo me honra com os lbios, mas o seu corao est longe de mim." (Mt 15,8) Portanto, h uma responsabilidade muito grande para quem ora a Deus dessa forma, porque fazendo a orao equivocada e mal-intencionadamente, em alguns casos, pode deseducar outras pessoas com sua atitude orante.

Se no revelar a verdade dos sentimentos, das palavras e das atitudes, a orao de louvor a Deus se esvazia, por no conter a dimenso de eternidade que faz parte de sua natureza.

Dom Genival Saraiva

Bispo de Palmares - PE

Acesso Restrito