IMACULADA CONCEIÇÃO

“Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!... Não tenhas medo, Maria, porque encontras-te graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus”. (cf. Lc 1,26-38)

Séculos antes da chegada do Salvador, as profecias anunciavam o que hoje celebramos: Uma Virgem conceberá e dela virá o Salvador. Ela nos traria a esperança. Com seu “sim” Deus vem aqui em baixo e, nela, se rebaixa até pôr-se ao mesmo nível de nós.

No centro do Advento está esta solenidade da Imaculada Conceição. Se o Natal tem sabor de Deus, o Advento tem gosto de Maria. Sem ela, sem o seu “sim” não teria existido “Encarnação". Sem seu ser Imaculado, faltaria à Igreja, a todos nós um espelho no qual podemos olhar e aspirarmos ser o que ela foi: bela, limpa por dentro e por fora. Olhemos, portanto para Maria!

 

NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO.jpg 2

 

 Ao contemplá-la nos impressiona, sobretudo, que neste itinerário até o Natal, ela, reza, espera, vive e serve como ninguém. Sem ser Deus, porque sabe que não o é, desfruta, entretanto, de estar cheia de sua Palavra. Sem muitas seguranças, agarrando-se à fé, espera aguardando que se cumpra a mensagem do Anjo.

Quanta humildade em Maria! Sua beleza foi precisamente sua alma interior. Não teve mais orgulho que satisfazer sempre os projetos do Criador. Longe de subir no “podium” do poder ou de presunção se sentiu, já desde o principio, acolhida pelos humildes e desconcertando os poderosos. Longe de deixar-se seduzir pelo pecado (ser como Deus) se entregou para viver com intensidade, sem fissura alguma e com alegria o amor de Deus: amada de Deus, discípula perfeita do Senhor, limpa morada para a Trindade.

Esta festa de Maria neste tempo do Advento é um estímulo a nossa "espera alegre e confiante". Maria não pode estar longe da nossa mente e do nosso coração, especialmente durante este tempo de preparação para o Natal. Quem melhor que ela, que o levou em seu seio, pode esperar sua vinda? Ela, a Mãe concebida sem pecado, nos convida a excluir o mal e a fazer o bem para preparar o caminho ao Emanuel.

O relato de São Lucas da Anunciação de Maria é um dos mais belos do Evangelho. Momento fundamental para a história da humanidade, que, não obstante, contrasta eu diria favoravelmente, com a simplicidade e sensibilidade como Lucas nos conta. Fixemos nosso olhar nas virtudes que fizeram possível que Maria fosse o “espaço” onde a Palavra pudesse se encarnar. Essas virtudes se convertem em um convite neste tempo do Advento a seguir aplainando os caminhos para deixar que Deus venha a nossas vidas de maneira total e plena.

 

AUTOR: PADRE JOSÉ ASSIS PEREIRA SOARES

Acesso Restrito