Mateus 5,1-4 (429)

Texto bíblico comentado (429)

Irmãos e irmãs,

Participemos da leitura e reflexão da Palavra de Deus. Jesus quando apresenta as bem-aventuranças está apresentando a fórmula da felicidade.

Mateus 5, 1 – 4 - As bem-aventuranças – Primeira parte - Vendo Ele as multidões, subiu à montanha. Ao sentar, aproximaram-se dele os seus discípulos. E pôs-se a falar e os ensinava, dizendo: Felizes os pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus. Felizes os mansos porque herdarão a terra. Palavra da Salvação!

Comentário: Jesus quando apresenta as bem-aventuranças está apresentando a fórmula da felicidade. Bem-aventurado significa aquele que é feliz. Não aquele que goza da 'felicidade' que o mundo proporciona, baseada em acúmulo de bens, excessos de participação em festas, ilusões passageiras, consumismos de toda espécie.

A felicidade apresentada pelas bem-aventuranças aponta para uma felicidade interior, que só pode ser alcançada mediante abertura à graça de Deus. Se pudéssemos comparar, poderíamos dizer que, à semelhança dos Dez Mandamentos apresentados por Deus através de Moisés, as bem-aventuranças são colunas para se alcançar o Reino dos Céus apresentadas por Jesus Cristo.

"Felizes os pobres no espírito, porque deles é o Reino dos Céus". Essa pobreza de espírito aqui referida não tem nada a ver com fraca desenvoltura intelectual, nem tampouco com questão social ou econômica. Ela deve atingir ricos e pobres. Tanto pode haver pobres sem aceitar sua realidade, cobiçando riquezas, sem nenhuma pobreza de espírito, como pode haver ricos agindo com justiça, confiantes mais em Deus do que nos seus bens. Pobreza de espírito tem a ver com a pessoa não se sentir autossuficiente, mas sim sentir-se dependente de Deus. Ou seja, ela tem a ver com humildade.

A humildade é uma forma de tirarmos o olhar de nós mesmo, simples criaturas, e nos voltarmos para Deus. Além de ser a chave que nos faz compreender melhor as demais bem-aventuranças. Assim, a pobreza de espírito, que é a humildade, torna-se uma das principais colunas da base que nos conduzirá ao Reino dos Céus, (cf. Mt 18,4): "Aquele, portanto, que se tornar pequenino como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus".

"Felizes os mansos porque herdarão a terra". Ser manso está muito ligado ao ato de ceder, de abrir mão do que se pode considerar um direito. Não é o caso de renúncia de direitos civis, mas de examinar qual é a vontade de Deus sobre cada assunto e controlar-se em prol de um bem maior. Jesus nos dá alguns exemplos: "Se alguém te obriga a andar uma milha, caminha com ele duas (Mt 5, 41).

Assim, ser manso é aceitar a vontade de Deus antes da nossa própria vontade, praticando o amor a Deus e aos irmãos. Jesus abriu mão de seu direito quando orava no Getsêmani: "Pai, se queres, afasta de mim este cálice! Contudo, não a minha vontade, mas a tua seja feita! (Lc 22,42)". E ainda: "Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vossas almas, pois meu jugo é suave e meu fardo é leve (Mt 11, 29-30)".

Um forte abraço para todos,

Fraternalmente,

Severino Alves,

E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Acesso Restrito