Sexta, Fevereiro 23, 2018

BRASAO DO ROSARIO original site do autor

Este é o site da Paróquia do Rosário de
Campina Grande, Paraíba, Brasil

Através deste site, a ativa comunidade da paróquia interage, obtém informação e usufrui de serviços web voltados para a religiosidade que cerca suas atividades. Explore nosso site, começando pela página de nosso brasão, criado na comemoração do jubileu de 70 anos de existência da paróquia.

Conheça Nosso Brasão

Agenda é um recurso útil para quem não conhece a rotina da paróquia e para quem quer saber sobre eventos correlatos.

Nosso site agora apresenta uma agenda integrada com o Google, de modo a mostrar informações sobre atividades rotineiras e sobre eventos especiais de forma mais amigável e mais clara, inclusive com mapas dos locais associados.

Confira a Agenda

"Uma imagem vale por mil palavras."

O site da Paróquia do Rosário inovou na apresentação de suas fotos, facilitando o acesso às imagens e aprimorando o uso deste recurso.

Mais detalhes

dest_youtube

“Se uma imagem vale por mil palavras, quanto valerá um vídeo com uma mensagem valorosa?”

O site da Paróquia do Rosário passa a indicar sites de vídeos publicados no YouTube, com destaque para vídeos relacionados com a Igreja Católica e temas afins. Acesse nossa página de vídeos e veja o acervo que disponibilizamos para você.

Vídeos Recomendados

"Em uma sociedade cada vez mais digitalizada, devemos
seguir pelos mesmos caminhos do nosso rebanho para prosseguir a evangelização."

A Paróquia do Rosário marca sua presença no Twitter, para manter estreita a comunicação com os seus seguidores virtuais. Visite nossa página do Twitter e nos acompanhe nesta caminhada.

Visite nosso Twitter

"O dízimo é um ato de fé. É a prova de que acreditamos que tudo que temos vem de Deus."

Visite nossa página dedicada ao Dízimo, que é muito mais do que uma simples contribuição material para a sua comunidade religiosa.

Saiba Mais

"Nós temos os líderes que merecemos, pois somos nós, através do voto, que elegemos estes líderes.

A Igreja Católica tem uma posição muito bem definida quanto a importância do ato cívico de votar. O eleitor deve ter em mente a importância do sufrágio para o futuro dele, de sua família e da sociedade onde está inserido.

Leia Mais

2018 INSCRIÇÕES PASTORAIS

PERSEVERANÇA

GEF e EJC INSCRIÇÕES 2018

Vídeo em Destaque

You need Flash player 6+ and JavaScript enabled to view this video.

Playlist: 0 | 1 | 2 | 3 | 4

SANTA MISSA EM SEU LAR

SANTA MISSA EM SEU LAR

PLAY - AOS SÁBADOS ÀS 19h30MIN (TV ITARARÉ)

MISSA DE CINZAS 2018 BISPO

Dom Dulcênio, Bispo de Campina Grande alertou que este é o tempo mais propício à conversão. “Procure viver o seu Batismo, a sua fé, mesmo que seja preciso recomeçar. O tempo mais propício é este”, disse o Bispo na Missa de Quarta feira de Cinzas, na Catedral de Campina Grande, que contou com centenas de fieis. A celebração marca o início do Tempo da Quaresma, os 40 dias de preparação para a Páscoa.

Ainda na celebração, o Bispo lembrou que a Liturgia da Igreja favorece a conversão. “Se nós olharmos, a organização litúrgica da Igreja nos oferece a oportunidade da conversão, com os tempos que nos ajudam no processo de renovação espiritual. E a quaresma é um convite para voltar ao jejum e à súplica, elementos fundamentais na nossa mudança de vida”, disse.

 

Leia mais...

Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2018 TERÇA-FEIRA, 6 DE FEVEREIRO DE 2018, 9H14

brasao papa modificacoes1

Boletim da Santa Sé

«Porque se multiplicará a iniquidade, vai resfriar o amor de muitos» (Mt 24, 12)

Amados irmãos e irmãs!

Mais uma vez vamos encontrar-nos com a Páscoa do Senhor! Todos os anos, com a finalidade de nos preparar para ela, Deus na sua providência oferece-nos a Quaresma, «sinal sacramental da nossa conversão»,[1] que anuncia e torna possível voltar ao Senhor de todo o coração e com toda a nossa vida.

Com a presente mensagem desejo, este ano também, ajudar toda a Igreja a viver, neste tempo de graça, com alegria e verdade; faço-o deixando-me inspirar pela seguinte afirmação de Jesus, que aparece no evangelho de Mateus: «Porque se multiplicará a iniquidade, vai resfriar o amor de muitos» (24, 12).

Esta frase situa-se no discurso que trata do fim dos tempos, pronunciado em Jerusalém, no Monte das Oliveiras, precisamente onde terá início a paixão do Senhor. Dando resposta a uma pergunta dos discípulos, Jesus anuncia uma grande tribulação e descreve a situação em que poderia encontrar-se a comunidade dos crentes: à vista de fenómenos espaventosos, alguns falsos profetas enganarão a muitos, a ponto de ameaçar apagar-se, nos corações, o amor que é o centro de todo o Evangelho.

Os falsos profetas

Escutemos este trecho, interrogando-nos sobre as formas que assumem os falsos profetas?

Uns assemelham-se a «encantadores de serpentes», ou seja, aproveitam-se das emoções humanas para escravizar as pessoas e levá-las para onde eles querem. Quantos filhos de Deus acabam encandeados pelas adulações dum prazer de poucos instantes que se confunde com a felicidade! Quantos homens e mulheres vivem fascinados pela ilusão do dinheiro, quando este, na realidade, os torna escravos do lucro ou de interesses mesquinhos! Quantos vivem pensando que se bastam a si mesmos e caem vítimas da solidão!

Outros falsos profetas são aqueles «charlatães» que oferecem soluções simples e imediatas para todas as aflições, mas são remédios que se mostram completamente ineficazes: a quantos jovens se oferece o falso remédio da droga, de relações passageiras, de lucros fáceis mas desonestos! Quantos acabam enredados numa vida completamente virtual, onde as relações parecem mais simples e ágeis, mas depois revelam-se dramaticamente sem sentido! Estes impostores, ao mesmo tempo que oferecem coisas sem valor, tiram aquilo que é mais precioso como a dignidade, a liberdade e a capacidade de amar. É o engano da vaidade, que nos leva a fazer a figura de pavões para, depois, nos precipitar no ridículo; e, do ridículo, não se volta atrás. Não nos admiremos! Desde sempre o demónio, que é «mentiroso e pai da mentira» (Jo 8, 44), apresenta o mal como bem e o falso como verdadeiro, para confundir o coração do homem. Por isso, cada um de nós é chamado a discernir, no seu coração, e verificar se está ameaçado pelas mentiras destes falsos profetas. É preciso aprender a não se deter no nível imediato, superficial, mas reconhecer o que deixa dentro de nós um rasto bom e mais duradouro, porque vem de Deus e visa verdadeiramente o nosso bem.

Um coração frio

Na Divina Comédia, ao descrever o Inferno, Dante Alighieri imagina o diabo sentado num trono de gelo;[2] habita no gelo do amor sufocado. Interroguemo-nos então: Como se resfria o amor em nós? Quais são os sinais indicadores de que o amor corre o risco de se apagar em nós?

O que apaga o amor é, antes de mais nada, a ganância do dinheiro, «raiz de todos os males» (1 Tm 6, 10); depois dela, vem a recusa de Deus e, consequentemente, de encontrar consolação n’Ele, preferindo a nossa desolação ao conforto da sua Palavra e dos Sacramentos.[3] Tudo isto se permuta em violência que se abate sobre quantos são considerados uma ameaça para as nossas «certezas»: o bebé nascituro, o idoso doente, o hóspede de passagem, o estrangeiro, mas também o próximo que não corresponde às nossas expetativas.

A própria criação é testemunha silenciosa deste resfriamento do amor: a terra está envenenada por resíduos lançados por negligência e por interesses; os mares, também eles poluídos, devem infelizmente guardar os despojos de tantos náufragos das migrações forçadas; os céus – que, nos desígnios de Deus, cantam a sua glória – são sulcados por máquinas que fazem chover instrumentos de morte.

E o amor resfria-se também nas nossas comunidades: na Exortação apostólica Evangelii gaudium procurei descrever os sinais mais evidentes desta falta de amor. São eles a acédia egoísta, o pessimismo estéril, a tentação de se isolar empenhando-se em contínuas guerras fratricidas, a mentalidade mundana que induz a ocupar-se apenas do que dá nas vistas, reduzindo assim o ardor missionário.[4]

 

 

Leia mais...

FRATERNIDADE E SUPERAÇÃO DA VIOLÊNCIA

 

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2018.jpg 2

Vós sois todos irmãos” Mt 23,8

Tema: Pretende advertir que a violência nunca constitui uma resposta justa, é pois um mal, e é inaceitável como solução para os problemas e não é digna do ser humano.

Objetivo geral: Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência.

A busca de soluções e alternativas à violência para resolver os conflitos sociais deu a esta realidade dramática um caráter de extrema urgência. É preciso entender que a violência está presente em todos os níveis estruturais e culturais e causam situações de injustiças que atingem e abrange a sociedade como um todo.

O lema da CF 2018, “vós sois todos irmãos” - Mt 23,8, busca resgatar o sentido de fraternidade dos povos, pois somos todos irmãos e irmãs, filhos e filhas de um mesmo Pai. Por isso, iluminados pelo Evangelho do Reino, somos chamados à não violência. Para isso, a CF 2018, busca infundir em nós cristãos um olhar atento a realidade, iluminá-la com a luz da Palavra de Deus e do Magistério da Igreja Católica, por fim, agir sobre ela, transformando-a.

1. A REALIDADE
No Brasil, a violência está presente no dia a dia das pessoas. Tal violência foi se transformando numa cultura sistematizada e institucionalizada, pois aquilo que deveria ser considerado violento – porque é mal em sí – passa não a ser assim considerado. As mídias sociais é grande colaboradora deste processo de naturalização da violência social. Se esquece que a violência nasce no próprio ser humano, quando este escolhe o caminho do ódio, do não perdão, da inveja, da soberba. Acrescido a isso, a sociedade aceita passivamente atitudes de natureza violenta diversas.

A cultura da violência é uma cultura excludente, pois tonifica as diferenças entre as classes sociais e raciais, criando, assim, estigmas sociais de níveis comportamentais e culturais que causam a indiferença social, no qual faz crescer a violência absurdamente, chegando a ser tratada como calamidade social. Nesse sentido, a CF 2018 não quer apenas e somente identificar a cultura da violência, mas sobretudo combatê-la, e entender que essa cultura se sistematiza na pessoa, na comunidade e sociedade.

1.1 A SISTEMATIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA

 

 A violência apresenta-se nas mais variadas formas: física, psicológica, institucional, sexual, doméstica, de gênero, e etc. No Brasil, um dado significativo dentre outros é a apresentação de um alto índice de desigualdade social que faz crescer a violência, e um outro dado é o não atendimento dos direitos elementares dos cidadãos que constitui um nascedouro para a violência em nosso país. O que se percebe é que os impostos que deveriam servir ao bem comum, são escoados por obra da corrupção, num país em que parece se institucionalizar a fraude contra o dinheiro público. Tal sistema é bipartido e polarizado: de um lado, estão os que querem a todo custo tirar vantagem; de outro, às vítimas da desigualdade crescente.

Leia mais...

O PAPA FRANCISCO neste mês de fevereiro nos convida a rezar “por aqueles que têm um poder material, político ou espiritual para não se deixem dominar pela corrupção” na sua intenção de oração confiada à Rede Mundial de Oração (Apostolado da Oração). Trata-se de alargar o coração com atitudes que mudem os modos fraudulentos de conquista de bens, prestígio e fama de tanta gente nos vários ambientes das sociedades. “A corrupção deve ser combatida com força. É um mal baseado na idolatria do dinheiro que fere a dignidade humana”, recorda o Papa.

Corrupção 768x444

De acordo com os dados da Organização das Nações Unidas sobre Drogas e Crime no Brasil (UNODC), a corrupção é o maior obstáculo ao desenvolvimento econômico e social na atualidade. Todos os anos mais de 1 trilhão de dólares é pago em suborno, enquanto cerca de 2,6 trilhões de dólares são roubados pela corrupção, o equivalente a mais de 5% do Produto Interno Bruto mundial. Um estudo divulgado pela entidade Transparência Internacional, afirma que o Brasil fechou o ano de 2016 em 79º lugar entre 176 países no ranking sobre a percepção de corrupção no mundo. Além do Brasil, estão empatados em 79º lugar Bielorrússia, China e Índia.

No ano passado, durante o Jubileu de 300 anos de Nossa Senhora Aparecida, o papa Francisco enviou um vídeo gravado por ele, afirmando que a esperança deve prevalecer, “sobretudo quando ao nosso redor as situações de desespero parecem querer nos desanimar. O Brasil hoje necessita de homens e mulheres cheios de esperança e firmes na fé, que deem testemunho de que o amor manifestado na solidariedade e na partilha é mais forte e luminoso que as trevas do egoísmo e da corrupção. Não se deixem vencer pelo desânimo”, disse o Papa, que repetiu a frase: “Não se deixem vencer pelo desânimo. Confiem em Deus”.

Para o bispo de Ipameri, GO, dom Guilherme Werlang, Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Ação Social Transformadora da CNBB, a corrupção é moralmente um grande e gravíssimo pecado: “Uma pessoa que compactua e pratica a corrupção jamais poderá ser reconhecida como cristão ou cristã. Eticamente, a corrupção destrói qualquer sociedade”.

Leia mais...

Mensagem do Papa para o 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais

brasao papa modificacoes1

Quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Boletim da Santa Sé

«A verdade vos tornará livres” (Jo 8, 32)». Fake news e jornalismo de paz

Queridos irmãos e irmãs!

No projeto de Deus, a comunicação humana é uma modalidade essencial para viver a comunhão. Imagem e semelhança do Criador, o ser humano é capaz de expressar e compartilhar o verdadeiro, o bom e o belo. É capaz de narrar a sua própria experiência e o mundo, construindo assim a memória e a compreensão dos acontecimentos. Mas, se orgulhosamente seguir o seu egoísmo, o homem pode usar de modo distorcido a própria faculdade de comunicar, como o atestam, já nos primórdios, os episódios bíblicos dos irmãos Caim e Abel e da Torre de Babel (cf. Gn 4, 1-16; 11, 1-9). Sintoma típico de tal distorção é a alteração da verdade, tanto no plano individual como no coletivo. Se, pelo contrário, se mantiver fiel ao projeto de Deus, a comunicação torna-se lugar para exprimir a própria responsabilidade na busca da verdade e na construção do bem. Hoje, no contexto duma comunicação cada vez mais rápida e dentro dum sistema digital, assistimos ao fenómeno das «notícias falsas», as chamadas fake news: isto convida-nos a refletir, sugerindo-me dedicar esta Mensagem ao tema da verdade, como aliás já mais vezes o fizeram os meus predecessores a começar por Paulo VI (cf. Mensagem de 1972: «Os instrumentos de comunicação social ao serviço da Verdade»). Gostaria, assim, de contribuir para o esforço comum de prevenir a difusão das notícias falsas e para redescobrir o valor da profissão jornalística e a responsabilidade pessoal de cada um na comunicação da verdade.PADROEIRO DOS COMUNICADORES

 Foto: São Francisco de Sales - Padroeiro dos Jornalistas e Comunicadores  

1. Que há de falso nas «notícias falsas»?

A expressão fake news é objeto de discussão e debate. Geralmente diz respeito à desinformação transmitida on-line ou nos mass-media tradicionais. Assim, a referida expressão alude a informações infundadas, baseadas em dados inexistentes ou distorcidos, tendentes a enganar e até manipular o destinatário. A sua divulgação pode visar objetivos prefixados, influenciar opções políticas e favorecer lucros económicos.

A eficácia das fake news fica-se a dever, em primeiro lugar, à sua natureza mimética, ou seja, à capacidade de se apresentar como plausíveis. Falsas mas verosímeis, tais notícias são capciosas, no sentido que se mostram hábeis a capturar a atenção dos destinatários, apoiando-se sobre estereótipos e preconceitos generalizados no seio dum certo tecido social, explorando emoções imediatas e fáceis de suscitar como a ansiedade, o desprezo, a ira e a frustração. A sua difusão pode contar com um uso manipulador das redes sociais e das lógicas que subjazem ao seu funcionamento: assim os conteúdos, embora desprovidos de fundamento, ganham tal visibilidade que os próprios desmentidos categorizados dificilmente conseguem circunscrever os seus danos.

 

 

Leia mais...

MISSAS NO ROSRIO - HORRIOS

papa

BISPO DIOCESANO

DOM DULCENIO FOTO NOVO BISPO DIOCESANO

Mensagem da Semana

PADRE MRCIO HENRIQUE

ESPAÇO DE EVANGELIZAÇÃO

biblia

COMUNIDADE RAINHA DA PAZ

CAPELA RAINHA DA PAZ  foto

Meu Dia de Oração

oracao

Clima Tempo

 

CATEQUESE COM O PAPA

BRASO DO PAPA FRANCISCO

Visitantes On-Line

Nós temos 130 visitantes online

Contador de Visitas

01246249
 

Webmail

Rosário no Twitter

 

Acesso Restrito