Sexta, Abril 18, 2014

Este é o site da Paróquia do Rosário de
Campina Grande, Paraíba, Brasil

Através deste site, a ativa comunidade da paróquia interage, obtém informação e usufrui de serviços web voltados para a religiosidade que cerca suas atividades. Explore nosso site, começando pela página de nosso brasão, criado na comemoração do jubileu de 70 anos de existência da paróquia.

Conheça Nosso Brasão

Agenda é um recurso útil para quem não conhece a rotina da paróquia e para quem quer saber sobre eventos correlatos.

Nosso site agora apresenta uma agenda integrada com o Google, de modo a mostrar informações sobre atividades rotineiras e sobre eventos especiais de forma mais amigável e mais clara, inclusive com mapas dos locais associados.

Confira a Agenda

"Uma imagem vale por mil palavras."

O site da Paróquia do Rosário inovou na apresentação de suas fotos, facilitando o acesso às imagens e aprimorando o uso deste recurso.

Mais detalhes

dest_youtube

“Se uma imagem vale por mil palavras, quanto valerá um vídeo com uma mensagem valorosa?”

O site da Paróquia do Rosário passa a indicar sites de vídeos publicados no YouTube, com destaque para vídeos relacionados com a Igreja Católica e temas afins. Acesse nossa página de vídeos e veja o acervo que disponibilizamos para você.

Vídeos Recomendados

"Em uma sociedade cada vez mais digitalizada, devemos
seguir pelos mesmos caminhos do nosso rebanho para prosseguir a evangelização."

A Paróquia do Rosário marca sua presença no Twitter, para manter estreita a comunicação com os seus seguidores virtuais. Visite nossa página do Twitter e nos acompanhe nesta caminhada.

Visite nosso Twitter

"O dízimo é um ato de fé. É a prova de que acreditamos que tudo que temos vem de Deus."

Visite nossa página dedicada ao Dízimo, que é muito mais do que uma simples contribuição material para a sua comunidade religiosa.

Saiba Mais

"Nós temos os líderes que merecemos, pois somos nós, através do voto, que elegemos estes líderes.

A Igreja Católica tem uma posição muito bem definida quanto a importância do ato cívico de votar. O eleitor deve ter em mente a importância do sufrágio para o futuro dele, de sua família e da sociedade onde está inserido.

Leia Mais

 CF 2014 - BANNER

Vídeo em Destaque

You need Flash player 6+ and JavaScript enabled to view this video.

Playlist: 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7

CATEQUESE COM O PAPA

BRASO DO PAPA FRANCISCO

Quem sou eu diante de Deus?PAPA FRANCISCO - SEMANA SANTA 2014  3

Quem sou eu, diante de Jesus que entra em festa em Jerusalém? Sou capaz de exprimir a minha alegria, de louvá-lo? Ou afasto-me? Quem sou eu, diante de Jesus que sofre?

[No Evangelho da paixão e morte de Jesus proclamado no Domingo de Ramos] ouvimos muitos nomes. O grupo dos dirigentes, alguns sacerdotes, alguns fariseus, alguns doutores da lei, que tinham decidido matá-lo. Esperavam a oportunidade de o prender. Sou eu como um deles?

Ouvimos também outro nome: Judas. Trinta moedas. Sou como Judas?

Ouvimos outros nomes: os discípulos que não entendiam nada, que adormeceram enquanto o Senhor sofria. A minha vida está adormecida?

Ou sou como os discípulos que não entendiam o que seria trair Jesus? Como aquele outro discípulo que queria resolver tudo como a espada: sou como eles?

Sou como Judas, que finge amar e beija o Mestre para o entregar, para o trair? Sou eu traidor?

Sou como aqueles dirigentes que num instante fazem um tribunal e procuram falsos testemunhos: sou eu como eles? E quando faço isso, se o faço, acredito que com isso salvo o povo?

Sou como Pilatos? Quando vejo que a situação é difícil, lavo as mãos e não sei assumir a minha responsabilidade e deixo condenar - ou condeno eu - as pessoas?

PAPA FRANCISCO - SEMANA SANTA 2014  4

Papa Francisco. Vaticano, 13.4.2014. Foto: AP Photo/Riccardo De Luca

Sou como aquela turba que não sabia bem se estava num encontro religioso, num julgamento ou num circo, e escolhe Barrabás? Para eles é o mesmo: era mais agradável, para humilhar Jesus.

Sou como os soldados que batem no Senhor, que lhe cospem, que o insultam-no e se divertem com a humilhação do Senhor?

Papa Francisco. Vaticano, 13.4.2014. Foto: AP Photo/Riccardo De Luca

Sou como o Cireneu que voltava do trabalho, cansado, mas teve a boa vontade de ajudar o Senhor a carregar a cruz?

Sou como aqueles que passavam diante da Cruz e escarneciam de Jesus: «Era tão corajoso! Desça da cruz e acreditaremos nele». Escarnecer de Jesus...

PAPA FRANCISCO - SEMANA SANTA 2014  2

Papa Francisco. Vaticano, 13.4.2014. Foto: AP Photo/Gregorio Borgia

Sou como aquelas mulheres corajosas, e como a mãe de Jesus, que estavam lá, que sofriam em silêncio?

Sou como José, o discípulo escondido, que leva o corpo de Jesus com amor, para lhe dar sepultura?

Sou como as duas Marias que permanecem diante do sepulcro a chorar, a rezar?

PAPA FRANCISCO - SEMANA SANTA 2014  5

Papa Francisco. Vaticano, 13.4.2014. Foto: AP Photo/Gregorio Borgia

Sou como aqueles chefes que no dia seguinte foram ter com Pilatos para dizer: «Olha que ele dizia que ressuscitaria. Que não aconteça outro engano», e bloqueiam a vida, bloqueiam o sepulcro para defender a doutrina, para que a vida não saia para fora?

Onde está o meu coração? A qual destas pessoas me assemelho? Que esta pergunta nos acompanhe durante toda a semana.

Papa Francisco
Homilia na Missa de Ramos na Paixão do Senhor
Vaticano, 13.4.2014
Trad.: SNPC/rjm
© SNPC | 13.04.14

Dom Genival Saraiva
Bispo de Palmares (PE) 

A partir daí, abrem-se "novas rotas não de conFORMAÇÃO, mas de reFORMAÇÃO." "C'est la vie", dizDOM GENIVAL - CNBB o francês, "e a vida continua", afirma o brasileiro, Cristo é o mesmo, "ontem, hoje e sempre", ensina a Igreja.

 

 

 

 

Disposições normativas  sobre a composição de quadros, a forma como se processa a ocupação de funções e o regime de escolha e sucessão de pessoas, nas mais diversas frentes da estrutura organizacional, fazem parte da vida de uma instituição pública ou privada. Isso acontece ante a certeza de que, na marcha do tempo, as pessoas passam, por várias razões, enquanto as instituições subsistem. A atenção à sucessão de pessoas nos quadros de uma instituição é uma medida sensata porque, reconhecidamente, isso não pode ficar à mercê das circunstâncias. Numa sociedade democrática, a ocupação de cargos públicos se rege por dispositivos constitucionais, a exemplo da escolha que fará o eleitorado brasileiro, este ano, no processo sucessório na Presidência da República e no Governo dos Estados, bem como no Congresso Nacional e nas Assembleias Legislativas.

 

Por ser uma instituição, a Igreja Católica também tem uma legislação que estabelece normas quanto à sua organização, à composição de seus quadros e à sucessão de pessoas, no exercício de ofícios eclesiásticos. A renúncia do Papa Bento XVI e a eleição do Papa Francisco são exemplos desse processo sucessório na Igreja, num claro reconhecimento de que, não obstante sua precedência e superioridade, as pessoas estão a serviço da instituição Igreja. Esse dispositivo se aplica, igualmente, à sucessão numa Diocese. Quando o seu Bispo completa setenta e cinco anos, é solicitado a apresentar ao Santo Padre o pedido de renúncia ao exercício de seu ministério pastoral, como prescreve o Código de Direito Canônico, Cânon 401 §1º; essa sucessão ocorreu na Diocese de Palmares, desde o dia 19 de março, quando o Papa Francisco nomeou o seu novo Bispo, Dom Henrique Soares da Costa.

 

A sucessão na Igreja é uma norma sábia; é uma providência prudente da legislação eclesiástica ao dizer ao Bispo, por antecipação, que a Diocese, longe de ser comparada a uma "capitania hereditária", é o lugar onde é chamado a servir, num tempo previsto. Como no serviço público, também na Igreja, o parâmetro que baliza a hora de apresentação do pedido ao Papa é a "idade da aposentadoria compulsória". Pela norma eclesiástica, sabe o Bispo que é um servidor do Evangelho e deve sê-lo, de maneira integral e incondicional, de todo modo e em qualquer lugar, seguindo o chamado que lhe fez Jesus que veio ao mundo para servir e não para ser servido. (cf. Mt 20,28)

 

Notadamente na vida eclesial, a emeritude não leva a pessoa ao ostracismo porque "os ciclos da vida para os que acreditam em Jesus Cristo: caminho, verdade e vida, são, na verdade, oportunidades iluminadas para a gente se reCICLAR." Na realidade, o Bispo nunca deixa de ser Bispo porque esse caráter é inerente ao Sacramento da Ordem, nos graus diaconal, presbiteral e episcopal; ele deixa, sim, de exercer o ofício episcopal numa determinada Igreja Particular. A partir daí, abrem-se "novas rotas não de conFORMAÇÃO, mas de reFORMAÇÃO." "C'est la vie", diz o francês, "e a vida continua", afirma o brasileiro, Cristo é o mesmo, "ontem, hoje e sempre", ensina a Igreja.

 

Leia mais...

SEMANA SANTA  2014 - PROGRAMAÇÃO. 2jpg

SEMANA SANTA  2014 - PROGRAMAÇÃO

 

jose-de-anchieta-apostolo-do-brasil-frameOs apóstolos acendem diante dos homens a luz de Cristo porque querem alegrar o coração de Deus. Foi o que fez o beato José de Anchieta em solo brasileiro.

Será canonizado pelo Papa Francisco, este mês, o bem-aventurado José de Anchieta, "apóstolo do Brasil". Por seus corajosos esforços, muitíssimas almas foram conquistadas para Cristo e o que podia não passar de mais um reinado mundano pôde, por graça de Deus, tornar-se Terra de Santa Cruz.

José de Anchieta, de nacionalidade espanhola, nasceu nas Ilhas Canárias, no ano de 1534. Foi sua mãe, então recém-convertida ao cristianismo, quem lhe deu a dádiva da fé. Mandado a Portugal muito cedo para estudar, destacou-se como uma mente brilhante, chegando à trabalhosa obra de compor poemas na língua latina.

Com apenas 19 anos, o seminarista José de Anchieta é chamado a integrar as comitivas que partiam Atlântico adentro em busca de terras (e almas). Ao sair da Europa, despede-se de seus parentes, certo de não voltar mais. "Nos vemos no céu!", diz à sua família. Em solo brasileiro, catequiza os índios em língua tupi-guarani e produz uma gramática nesse idioma, a fim de facilitar a comunicação entre os evangelizadores e os povos nativos.

Como São Paulo, Anchieta atravessa várias porções de terra para fazer resplandecer a luz de Cristo. Em uma de suas viagens – que descreveu em longa carta ao superior-geral da Companhia de Jesus, Diego Lainez [1] –, ele testemunha as "grandes opressões" que infligiam aos portugueses os índios tamoios, "levando continuamente os escravos, mulheres e filhos dos Cristãos, matando-os e comendo-os". Mesmo conscientes de antemão do mal que lhes podia fazer essa tribo, ele e o padre Manuel da Nóbrega não hesitam ir ao seu encontro, para firmar com ela um acordo de paz ou, se possível, trazê-los à fé cristã e "ganhar algumas almas de seus filhos inocentes com a água do santíssimo batismo".

Leia mais...

QUARESMA - 4º DOMINGO                                                                                                                                                   Pe. José Assis Pereira Soares                                                                                                                                                                                                            

  O quarto Domingo da Quaresma é também chamado Domingo "laetare". O convite a experimentar a alegria nos vem da antiquíssima antífona de entrada da missa: "Alegra-te, Jerusalém!..." (cf. Is 66,10-11) Isso parece chocar-se um pouco com o caráter austero da Quaresma, no entanto, a alegria tem muito sentido com a Quaresma. O nosso esforço de conversão, inclusive nossa penitência, não deve estar impregnado de nenhuma tristeza ou morbidez.

Tendo já percorrido a metade da caminhada de preparação para a Páscoa, somos convidados a deixar para trás qualquer atitude ou sombra de tristeza. Definitivamente, a proximidade da Páscoa, nos leva a contemplar a luz que espera por trás do aparente fracasso da Cruz.

Neste domingo da Quaresma batismal, só entenderemos a relação da perícope evangélica da cura do cego de nascença (cf. Jo 9,1-41) com o Sacramento do Batismo se nos lembrarmos de que a Igreja primitiva chamava este sacramento de "iluminação". São Justino, filósofo convertido ao cristianismo e mártir do século II dizia: "Ao batismo dá-se o nome de iluminação, porque os iniciados nesta doutrina ficam iluminados na sua inteligência..."

A Liturgia da Palavra desta Quaresma tem um marcante caráter batismal. Portadora de uma abundância de imagens, no primeiro Domingo nos apresentou a imagem do "deserto" como lugar de provação, no segundo Domingo a imagem da "montanha" como lugar de oração que transfigura nossa vida, no Domingo passado a imagem da fonte de "água viva", capaz de satisfazer a sede de Deus e hoje a imagem da "luz".

 

Leia mais...

papa

BISPO DIOCESANO

DOM DELSON

Imagem1

ESPAÇO DE EVANGELIZAÇÃO

biblia

COMUNIDADE RAINHA DA PAZ

CAPELA RAINHA DA PAZ  foto

Meu Dia de Oração

oracao

Clima Tempo

 

Visitantes On-Line

Nós temos 57 visitantes online

Contador de Visitas

00350035
 

Webmail

Interatividade

Qua a sua opinião sobre a EVANGELIZAÇÃO, através das redes sociais?

MURAL DE RECADOS

PARÓQUIA DO ROSÁRIO
03/04/2014 às 13h05
PARÓQUIA
CAMPINA GRANDE PB

PROGRAMAÇÃO PRÉ-SEMANA SANTA – 09 A 11 DE ABRIL Dia 09 – Quarta-feira: 19:30 h + Celebração Penitencial na Capela da Guia; Dia 11 – Sexta-feira: 19:30 h – Celebrações Penitenciais na Capela da Bela Vista e na Matriz . SEMANA SANTA: 13 a 29 [...]

Ver recado completo »

Rosário no Twitter

 

Acesso Restrito